quarta-feira, 16 de abril de 2014

"Perueiros" lotam a Câmara de Vereadores



Na noite de ontem (15), a Câmara Municipal dos Vereadores lotou. Eram profissionais do transporte coletivo feito por lotações que foram até o local protestar contra a suposta licitação para transporte municipal que o prefeito da cidade, Luís Claudio Bili, que abrir no Município.


Os profissionais do transporte coletivo municipal feito por lotações estão organizando uma manifestação na Câmara Municipal de São Vicente para a noite de hoje (15), durante a sessão legislativa, que inicia às 18 horas. Eles reclamam sobre a suposta licitação que o prefeito municipal, Luís Claudio Bili, quer abrir na Cidade.



Para os organizadores do manifesto, esta possível licitação não é a melhor solução para os problemas de mobilidade de São Vicente. "São várias as reclamações contra os serviços prestados pelas lotações, mas a população também precisa entender que este mesmo transporte também traz vários benefícios que uma empresa de Ônibus, por exemplo, não poderá trazer", diz o presidente da Cooperlotação, Anderson da Silva.



Dentre os benefícios mais comuns, está o fato das lotações entrarem em todos os cantos da cidade; o curto  espaço de tempo entre um carro e outro o baixo custo tarifário. "Isso sem contar que estamos fazendo muito mais investimentos em prol do conforto e segurança  do usuário e dos profissionais das lotações", revela o presidente.



Como exemplo, ele cita uma das mais recentes aquisições, as câmeras de segurança que já foram instaladas em parte da frota. Todos os veículos que fazem as linhas da Área Continental contam com três câmeras cada e os frutos desse investimento já estão sendo colhidos. "Acompanhamos, online, tudo o que acontece dentro e fora do veículo através destes equipamentos. Então, se um usuário reclama de uma má ação do motorista, temos gravado todo o itinerário e podemos conferir a veracidade da informação e punir o profissional, se preciso", explica.



Anderson reconhece que ainda há um longo caminho para que o transporte de lotações seja o idealizado pela população. "Sabemos onde estamos falhando e trabalhamos para mudar isso, mas tem coisas que não podemos fazer sozinhos. Precisamos trabalhar em parceria com o poder público para corrigir essas falhas e temos solicitado isso", conta Anderson.



Esse desejo de permanecer servindo a cidade e continuar mudando para melhor foi visto por todos os que estiveram na sessão legislativa de ontem. Eram autorizatários, funcionários, familiares e usuários do sistema pedindo pelas lotações.



"Temos 367 veículos e empregamos, diretamente, mais de 2.500 pessoas. Também geramos mais de 10 mil empregos indiretos, ou seja, é um serviço que traz renda para milhares de famílias vicentinas", acrescenta o presidente. 



Os vereadores Pedro Gouvêa, que é presidente da Comissão do Transporte Alternativo, revelou-se publicamente à favor das  lotações, assim como o vereador Alfredo Martins, que demonstrou seu apoio ao citar uma entrevista em que um empresário do setor de transportes do interior paulista falava, em novembro passado para um canal de TV local, que entraria com seus ônibus em São Vicente.


 



"São muitas as questões que precisam ser analisadas, mas confiamos no poder legislativo para ajudar nessa questão, fiscalizando essas denúncias e trabalhando, conosco, pela melhora do sistema que já existe na cidade", finalizou Anderson.